quinta-feira, 15 de novembro de 2018

SOS Cagarro 2018: balanço final São Miguel e Corvo

Como vendo sendo habitual desde 2009 e no âmbito do projecto LuMinAves desde 2017 com o intuito de mitigar o impacto da poluição luminosa sobre as populações de aves marinhas, a SPEA tem vindo a colaborar com a Direcção Regional dos Assuntos do Mar e respectivos Parques de ilha (São Miguel e Corvo), na Campanha SOS Cagarro.

Juvenil de Cagarro na ilha do Corvo

Esta colaboração é mais evidente na ilha de São Miguel (Vila Franca do Campo, Nordeste, Povoação, Lagoa e Ribeira Grande) e na ilha do Corvo onde temos uma presença contínua que nos permite continuar a Salvar Cagarros e Fazer Amigos!

Libertação de Cagarros na ilha do Corvo

No total foram salvos 369 Cagarros Calonectris borealis em São Miguel e 210 na ilha do Corvo, infelizmente foram ainda encontrados 19 e 7 mortos respectivamente, foram ainda salvos dois cagarros previamente anilhados nas colónias próximas da Vila do Corvo, o que comprova o impacto que a poluição luminosa tem sobre estas aves no seu primeiro voo. De ressalvar o constante apoio de todos os voluntários que colaboraram na Campanha, onde diariamente participaram em brigadas nocturnas para salvar cagarros, de ressalvar ainda a iniciativa de todas as entidades e municípios que desligaram as luzes para mitigar o impacto da luzes artificiais, acrescentando ainda que a Câmara Municipal do Corvo, sócia participante no projecto, desligou por completo as luzes da Vila do Corvo, pelo segundo ano consecutivo no período das 3-6 horas da manhã, além das ruas mais "críticas" como já é habitual há vários anos.

Voluntários a Salvar Cagarros na ilha do Corvo
Foto: Rui Pimentel

Mais uma vez nos despedimos com um MUITO OBRIGADA a todos os que continuam a contribuir para preservar aquela que é a mais emblemática ave marinha dos Açores.


Sem comentários:

Publicar um comentário