quinta-feira, 13 de junho de 2019

Projeto LuminAves continua com trabalhos nos ilhéus

A equipa do projeto LuminAves esteve a realizar trabalhos no ilhéu de Baixo, Graciosa de 31 de maio a 5 de junho.

Mais uma vez fica um agradecimento ao Parque Natural de ilha pelo apoio e boa disposição. No geral os trabalhos decorreram dentro da normalidade com 32 ninhos de cagarro "Calonectris borealis" monitorizados e marcados, novas prospeções de alma-negra "Bulweria bulwerii", tendo sido encontrado novo ninho, 18 identificados até ao momento, no entanto apenas 10 ocupados por agora, estando apenas 4 acessíveis.





Foram realizadas escutas de estapagado "Puffinus puffinus" que desde 2017 tem vindo a ser detetado, tanto machos como fêmeas, indicando suspeitas de nidificação e o qual será prospectado no próximo ano para verificar a possível nidificação.


A unidade de gravação autónoma (ARU) foi substituída e captura-marcação-recaptura com recurso a redes verticais nas 4 noites de amostragem, 75 capturas de painho-de-monteiro "Hydrobates monteiroi" e 35 recapturas, 5 capturas de alma-negra e ainda 4 juvenis de frulho.

Foram ainda encontrados painhos-de-monteiro predados por gaivotas, 6 frulhos mortos, um deles adulto  (recaptura), 4 juvenis mortos possivelmente por competição com os cagarros, tendo sido encontrados em ninhos ocupados por estes e um predado por gaivota, regurgitado.


Foram ainda recolhidas egagrópilas de gaivota para o estudo da investigadora Zoe Deakin e realizada amostragem de formigas para a investigadora Verónica Neves.

SPEA recebe prémio Espírito Verde do Governo dos Açores

O  trabalho da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) em prol da natureza foi ontem reconhecido pelo Governo dos Açores, com a atribuição do prémio “Espírito Verde”. Na cerimónia que decorreu na cidade da Horta, ilha do Faial, Açores, a SPEA foi galardoada na categoria Recursos Naturais e Qualidade Ambiental, pelo seu projeto Life Ilhas Santuário para Aves Marinhas, e recebeu ainda uma menção honrosa para o Centro Ambiental do Priolo, na categoria de Educação, Comunicação e Voluntariado.

Os prémios “Espírito Verde”, implementados em 2018 pela Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo, através da Direção Regional do Ambiente, premeiam empresas, instituições e personalidades que se distingam pelas boas práticas ambientais, bem como na investigação, ativismo, voluntariado e mecenato ambientais.




“Estamos muito orgulhosos com este reconhecimento do trabalho da SPEA em prol da natureza dos Açores, e em especial das aves marinhas, para as quais o nosso arquipélago tem uma grande importância a nível mundial”, diz Rui Botelho, coordenador da SPEA Açores. “Este prémio não é só para nós, é também para todos os nossos parceiros, todas as entidades e voluntários que tornaram possíveis os resultados que obtivemos.”

O Projeto Life Ilhas Santuário para Aves Marinhas foi um projeto pioneiro para a conservação das colónias de aves marinhas nos Açores, através da recuperação do seu habitat e de medidas de controlo e erradicação de espécies invasoras. Implementado pela SPEA na Ilha do Corvo e no Ilhéu de Vila Franca do Campo de 2009 a 2012, em parceria com a Secretaria Regional do Ambiente e do Mar (SRAM), a Câmara Municipal do Corvo e a Royal Society for the Protection of Birds (RSPB). este. projeto criou verdadeiros santuários para os cagarros e outras aves marinhas.

O Life Ilhas Santuário levou à criação de uma Reserva Biológica de Altitude para plantas endémicas na ilha do Corvo, bem como da Reserva Biológica do Corvo, com a sua vedação anti-predadores – a primeira a ser testada na Europa. No decurso do projeto, 70% dos gatos domésticos do Corvo foram esterilizados e marcados com microchip, para minimizar o seu impacto nas aves marinhas. O projeto permitiu ainda a construção de uma estufa e produção de plantas nativas e endémicas no Corvo, para ajudar a restaurar os habitats e paisagens originais da ilha. E para que as aves marinhas pudessem beneficiar em pleno desta reabilitação, foram construídos 400 ninhos artificiais para os quais as aves foram atraídas. Trabalhando de perto com a população do Corvo, o projeto tem sido a força motriz de 10 anos de conservação das aves marinhas na ilha.

O trabalho reconhecido pelo prémio Espírito Verde não terminou. A SPEA está a dar continuidade a estas ações, em colaboração com a Direção Regional dos Assuntos do Mar e o Fundo Regional de Ciência e Tecnologia, em articulação com outros projetos em curso, como o LuMinAves e o MisticSeas II, que visam monitorizar colónias de aves marinhas no arquipélago e minimizar o impacto da poluição luminosa.

Relativamente ao projeto destacado na categoria de Educação, Comunicação e Voluntariado, o Centro Ambiental do Priolo tem sido responsável pela organização de toda a componente de sensibilização e de educação ambiental dos sucessivos projetos para a conservação do priolo – ave que só pode ser encontrada nos Açores. Paragem obrigatória para quem visita a Zona de Proteção Especial do Pico da Vara/Ribeira do Guiherme, este centro de interpretação desenvolve também um programa de atividades de sensibilização para a população local e um programa de educação ambiental para escolas, ATLs e entidades educativas de São Miguel.





Gerido pela SPEA e localizado na Reserva Florestal de Recreio da Cancela do Cinzeiro na Pedreira, Nordeste, S. Miguel, este Centro foi criado no âmbito do projeto Life Priolo, em parceria com a Secretaria Regional do Ambiente e do Mar (SRAM) e a Direção Regional de Recursos Florestais (DRRF), e inaugurado em Dezembro de 2007. Desde então, este centro já recebeu mais de 25.000 visitantes, realizou mais de 690 atividades com mais de 20.000 alunos de todas as escolas da ilha de São Miguel, promoveu a formação de professores sobre a biodiversidade dos Açores e a sua aplicação pedagógica, tem realizado uma média anual de 50 atividades de sensibilização e voluntariado para o público geral com mais de 10.000 participantes e criado várias exposições e materiais educativos sobre a biodiversidade dos Açores.


“Esta menção honrosa reflete o impacto do Centro Ambiental do Priolo não só na conservação do priolo mas sobretudo como embaixador – em S.Miguel, nos Açores e no mundo – das Terras do Priolo e do valor da nossa floresta natural”, diz Rui Botelho. “Esta distinção representa prestígio mas acima de tudo acrescenta responsabilidade e a vontade de trabalhar mais e melhor, de continuar a contribuir para a conservação da biodiversidade das ilhas de Bruma, em colaboração com os parceiros, voluntários e restante população que são essenciais para o sucesso destes projetos.”




Aromáticas na EBSMS:cortesia do clube do ambiente


No âmbito do programa de atividades anuais de educação ambiental a SPEA e o Clube de Ambiente da Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira construíram um canteiro de aromáticas de oregãos, majericão, coentros, salva, hortelã e aneto-endro previamente semeadas no estufim do projeto LIFE Ilhas Santuário para as Aves Marinhas durante uma atividade sobre compostagem e que foram agora transplantadas para o canteiro que está sob a responsabilidade dos alunos.

Equipa sorridente após a elaboração
Alunos na elaboração do canteiro

Canteiro de aromáticas





sexta-feira, 24 de maio de 2019

Grupo SONAE visita Projeto LIFE+Terras do Priolo

No passado dia 22 de maio, a SPEA Açores recebeu a visita do grupo SONAE Sierra - Parque Atlântico. Este grupo de 4 pessoas chegou ao Nordeste logo pela manhã e, acompanhado por técnicos da SPEA e alguns voluntários do projeto LIFE Volunteer Escapes, dirigiu-se ao Centro Ambiental do Priolo onde teve início o seu dia de voluntariado ambiental.

Visita ao Centro Ambiental do Priolo. @SONAE
Aí o grupo visitou a exposição permanente do Centro e descobriu um pouco mais sobre o priolo , o seu habitat, a sua história e ainda algumas das ações desenvolvidas para a recuperação da floresta Laurissilva dos Açores, o habitat do priolo - Pyrrhula murina

A visita continuou pela Serra da Tronqueira, na Zona de Proteção Especial Pico da / Vara Ribeira do Guilherme, e em algumas paragens foi possível observar as áreas de atuação dos três últimos projetos LIFE que decorreram na área, desde as mais recentes até às primeiras áreas restauradas à 16 anos atrás. O grupo seguiu depois para a Mata dos Bispos, onde ficou a conhecer as ações e técnicas de engenharia natural aí aplicadas para recuperação de derrocadas.
Ações de engenharia natural , Mata dos Bispos. @VolunteerEscapes

Ao meio dia, disfrutou-se um delicioso almoço com uma bela vista para a Povoação e finalmente para terminar meteu-se mãos à obra e nem o priolo faltou, tendo aparecido ao fim do dia em jeito de despedida. 

A SPEA agradece a todos o apoio e faz votos que tenha sido um dia bem passado na companhia do priolo!



quinta-feira, 16 de maio de 2019

World Migratory Birding Day - 11 de maio

No dia 11 de maio foi comemorado o dia mundial das aves migradoras. A SPEA e a Terraazul comemoraram este dia com uma formação especial sobre aves marinhas residentes e migradoras dos Açores e a sua história desde a época de colonização até aos dias de hoje. 



Nesta formação, para além de metodologias de identificação e da ecologia de cada uma das espécies, abordamos questões polémicas tais como as ameaças e problemas de conservação desvendando alguns segredos e estudos que tem sido desenvolvidos.

Esta formação permitiu divulgar a plataforma online e app ebird.org que é uma ferramenta de gestão de listas de observações de aves em todo o mundo que pode ser utilizada para a conservação e o estudo das aves a nível mundial.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Estufim: uma ferramenta essencial para preservar a flora da ilha do Corvo


O estufim incorporado na Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira tem contribuído para a produção de endémicas  na ilha do Corvo, desde 2010 no âmbito do Projeto LIFE "Ilhas Santuário para as aves marinhas" e na implementação do plano de ação do Pós-LIFE e sendo fundamental para a recuperação de habitat da ilha, seja das áreas de intervenção do projeto (Reserva Biológica do Corvo e Reserva Biológica de Altitude), assim como, nas áreas sob a jurisdição do Parque Natural de ilha. Além destas, o estufim tem permitido ainda requalificar os espaços verdes da Vila do Corvo, através da criação do Jardim de Endémicas em colaboração com a Câmara Municipal do Corvo. Foi através desta colaboração que nos últimos meses tem sido desenvolvidos esforços para a requalificação dos canteiros e espaços verdes da Vila do Corvo tendo sido intervencionadas 3 áreas para as quais foram transplantadas 35 urzes Erica azorica, 17 plantas de perrexil-do-mar Crithmum maritimum, 17 não-me-esqueças Myosotis maritima, 38 cubres Solidago azorica e 45 vidálias Azorina vidalii. Esta ação pretende assim não só encher a Vila do Corvo de cor como promover o conhecimento sobre as plantas nativas dos Açores e valorizar a sua importância enquanto Património Natural, que será ainda fomentado através de uma ação de formação para os colaboradores da Câmara Municipal do Corvo.

Não-me-esqueças Myosotis maritima plantadas nos canteiros da Vila do Corvo
Foto: Tânia Pipa

C

Promover a Sustentabilidade através dos Projetos Educativos Sociais da GALP


No âmbito do Projeto Switch UP, da Fundação GALP foi nos pedida a colaboração para a realização de uma sessão de educação ambiental para os alunos do ensino Secundário da Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira, com o intuito de promover  a mudança de comportamentos para um desenvolvimento sustentável, na escola e na comunidade envolvente.

Sessão Educativa sobre o Desenvolvimento Sustentável

Desta forma, foram apresentado 
os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um conjunto de metas estabelecidas globalmente para um planeta mais sustentável. Assentando em várias temáticas desde, as fontes de energia, a mobilidade sustentável, a transição energética, o consumo e a proteção de recursos naturais.