quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Balanço Pós-Projecto LIFE "Ilhas Santuário para as aves marinhas"


Nos dias 29 a 31 de Janeiro para acabar o mês em grande tivemos a visita do Diretor Executivo da SPEA, Dr. Luís Costa, e do Coordenador da SPEA Açores, Dr. Joaquim Teodósio, que se deslocaram ao Corvo para acompanhar os trabalhos realizados naquela ilha. Nomeadamente, as áreas de intervenção do Plano de Acção do Pós-Projecto "Ilhas Santuário para as aves marinhas" financiado pelo Governo Regional, com a Câmara Municipal do Corvo e o Parque Natural de ilha como parceiros.

As áreas em questão foram a Reserva Biológica do Corvo (RBC), a Reserva Biológica de Altitude (RBA)  e o estufim responsável pela produção de plantas nativas para recuperação das áreas anteriores, assim como, outras áreas relevantes na ilha.

Na RBA a visita incidiu principalmente no sentido de acompanhar a recuperação da turfeira na área e a evolução das plantas nativas aí colocadas, que desde o projecto rondam as 4000 plantas e que tem contribuído para recuperar este habitat natural com 12ha.

RBA

RBA

Fotos: Joaquim Teodósio

Erica azorica plantada na RBA


Na Reserva Biológica do Corvo o foco foi para os trabalhos de reforço da vedação antipredadores e melhoramentos futuros, no que respeita a transformar a Reserva num ponto de interesse turístico e uma colónia livre de predadores, para a qual a transposição com sucesso de juvenis de cagarro venha a ter retorno no futuro, assim como, para os trabalhos de recuperação de habitat, com a plantação de espécies nativas urze Erica azorica, pau-branco Picconia azorica, cedro-do-mato Juniperus brevifolia, sanguinho Frangula azorica, uva-da-serra Vaccinium cylindraceum, que entre as duas reservas rondam as 24 000 plantas até ao momento, sem contar com a sementeira directa de bracel Festuca petraea e vidália Azorina vidalii.

RBC

Azorina vidalii na RBC


Fotos: Joaquim Teodósio

No estufim a produção de cerca de 3500 plantas foi visitada, em particular a rara não-me-esqueças Myosotis azorica que será posteriormente transplantada para o seu habitat natural e que já o ano passado foi transplantada para ambiente natural em zona protegida.



Myosotis azorica, Julie Weissmann

Myosotis azorica transplantada para área protegida

Além destas acções foi ainda discutido o Plano de trabalho anual, assim como, outras acções prioritárias, caso da monitorização da população de aves marinhas da ilha, em particular os cagarros Calonectris borealis, que continuam a ver o seu sucesso reprodutor diminuir em consequência da acção dos gatos. Os quais estão sobre um programa de esterilização e controlo mas que com a falta de veterinário permanentemente na ilha, vai sofrendo retrocessos.





De referir ainda a importância das acções de sensibilização e educação ambiental da população (cerca de 110 actividades, com 1200 participantes, nos últimos 2 anos), em especial da população mais jovem que em muito tem contribuído para um melhor ambiente e para a conservação do património natural da ilha do Corvo.

Libertação de Hydrobates leucorhous

Para terminar, de ressalvar que os trabalhos foram acompanhados pelo presidente da Câmara Municipal do Corvo e também pelo Parque Natural de ilha.




Sem comentários:

Publicar um comentário